terça-feira, 20 de agosto de 2013

Igreja Imaculada Conceição

É com extrema tristeza que noticiamos o desabamento do teto da igreja Imaculada Conceição, ocorrido nesta madrugada, e não sabemos ainda os motivos que levaram ao ocorrido, salientamos que o templo ficará fechado por segurança até que seja definido o que será feito.

Informamos que a Igreja Imaculada Conceição foi interditada pela defesa civil, por motivo de segurança por tempo indeterminado, devido ao desabamento de parte do forro do teto sobre o presbitério. Pedimos a quem estiver com evento, formatura ou casamento agendado, que entre em contato com a secretaria da paróquia no telefone 47 33481254 para maiores informações e reagendamentos em outra igrejas da paróquia.

Uma boa notícia!
Após uma reunião realizada com o prefeito Jandir Bellini e as secretarias da prefeitura, ficou definido que o poder público se prontificará a realizar os projetos necessários para a restauração da igreja Imaculada Conceição que por ser tombada pelo patrimônio histórico, merece total atenção, para preservação da história de Itajai.







quarta-feira, 29 de maio de 2013

Corpus Christi


Corpus Christi é uma expressão em latim que significa “Corpo de Cristo”, e é um feriado muito comemorado por nos católicos . Corpus Christi é celebrado 60 dias depois da Páscoa, e no domingo depois de Pentecostes, e normalmente com procissões em vias públicas.
A celebração de Corpus Christi é marcada por procissões em diversos estados brasileiros, a procissão é feita nas ruas, onde as pessoas podem testemunhas e adorar a imagem do Corpo e Sangue de Cristo.
Aqui em Itajaí não é diferente, fizemos os tapetes nas ruas com pó de cera, pó de café e outros produtos...
Procissão de Corpus Christi em 2012.




Origem de Corpus Christi
A origem da Solenidade do Corpo e Sangue de Cristo começou no Século XIII, em 1269. A Igreja Católica sentiu a necessidade de que as pessoas sentissem a presença real de Cristo.
Conta a história, que existia um sacerdote chamado Pedro de Praga, que vivia angustiado por dúvidas sobre a presença de Cristo na Eucaristia. Decidiu então ir em peregrinação ao túmulo dos apóstolos Pedro e Paulo em Roma, para pedir o dom da fé. Ao passar por Bolsena, na Itália, enquanto celebrava a Santa Missa, foi novamente acometido da dúvida. Na hora da Consagração veio-lhe a resposta em forma de milagre: a hóstia branca transformou-se em carne viva, respingando sangue, manchando seu corpo, os sanguíneos e as toalhas do altar sem no entanto manchar as mãos do sacerdote, pois, a parte da hóstia que estava entre seus dedos, conservou as mesmas características.
O Papa Urbano IV, pediu que os objetos fossem levado para Oviedo em uma grande procissão, e foi nesse momento que a festa de Corpus Christi foi decretada.
É conhecido como O MILAGRE DE LANCIANO.
Esse sangue e essa carne estão guardados até hoje para visitação.

Recentemente foi feita uma análise por cientistas e comprovado que após 12 séculos esse milagre permanece, ou seja, o sangue e a carne continuam vivos como se tivessem sidos retirados hoje.



quarta-feira, 22 de maio de 2013

SANTO DO DIA

Santa Rita De Cássia.


 Rita nasceu no ano de 1381, na cidade de Cássia. Na infância, manifestou sua vocação religiosa, mas para atender aos desejos de seus pais já idosos, Rita casou-se com um homem de nome Paulo Ferdinando. 

Seu marido tornou-se violento e agressivo. A tudo ela suportava com paciência e oração. A penitência e a abnegação de Rita conseguiriam convertê-lo aos preceitos de amor a Cristo. Entretanto, suas atitudes passadas deixaram um rastro de inimizades, que culminaram com seu assassinato, trazendo grande dor e sofrimento ao coração de Rita.

Dedicou-se então aos dois filhos ainda pequenos que, na adolescência, descobriram a verdadeira causa da morte do pai e resolveram vingá-lo quando crescessem. Rita pediu a interferência de Deus, para tirar tal ideia da cabeça dos filhos. Se isso não fosse possível, que Deus os levasse para junto Dele. Em menos de um ano, os dois filhos de Rita morreram, sem concretizarem a vingança.

Rita ficou sozinha no mundo e decidiu dar um novo rumo à sua vida. Determinada, resolveu seguir a vocação revelada ainda na infância: tornar-se monja agostiniana.

Ela se entregou completamente a uma vida de orações e penitências, com humildade e obediência total às regras agostinianas. Sua fé era tão intensa que na sua testa apareceu um espinho da coroa de Cristo, estigma que a acompanhou durante catorze anos.

Rita morreu no ano de 1457, aos setenta e seis anos, em Cássia. Sua fama de santidade atravessou os muros do convento e muitos milagres foram atribuídos à sua intercessão. Os fiéis a consideram a "Santa das Causas Impossíveis".

ORAÇÃO

Ó poderosa e gloriosa Santa Rita,
eis a vossos pés um alma desamparada que,
necessitando de auxílio,
a vós recorre com a doce esperança
de ser atendida por vós
que tendes o incomparável título
de SANTA DOS CASOS IMPOSSÍVEIS E DESESPERADOS.

Ó cara Santa, interessai-vos pela minha causa,
intercedei junto a Deus
para que me conceda a graça
de que tanto necessito (dizer a graça que deseja).

Não permitais que tenha de me afastar
dos vossos pés sem ser atendido.
Se houver em mim algum obstáculo
que me impeça de obter a graça que imploro,
auxiliai-me para que o afaste.
Envolvei o meu pedido
em vosso preciosos méritos
e apresentai-o a vosso celeste esposo, Jesus,
em união com a vossa prece.

Ó Santa Rita,
eu ponho em vós toda a minha confiança;
por vosso intermédio,
espero tranquilamente a graça que vos peço.

Santa Rita, advogada dos impossíveis, rogai por nós.


Fonte: www.paroquias.org
www.a12.com

domingo, 19 de maio de 2013

Vinde Espirito Santo...

Espírito Santo, vinde
Falar em mim!
Espírito Santo, vinde
Orar em mim!

Vinde curar, vinde libertar
Nossos corações de toda opressão
Vinde transformar, vem incendiar
Traz fogo do céu nesse lugar

Incendeia minha alma, Senhor!


 Eu e minha amiga Rosa Helene.


Eu, Dona Irene (coordenadora das bandeireiras) e Rosa Helena 


Imperador deste ano Diácono Eleimar e Rosi Vitti.



ASCENSÃO DE JESUS




EIS QUE ESTOU CONVOSCO TODOS OS DIAS,
ATÉ O FIM DO MUNDO
(Mt 28,20)

Vamos ler At1,3-11
Jesus, depois que ressuscitou, passou muitos dias aqui na Terra, junto com seus discípulos. Ele os orientou e os enviou para continuar sua missão: "Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura" (Mc 16,15).
Isso quer dizer que eles foram fazer de todos os povos discípulos do Senhor, através do batismo e da observância dos mandamentos do Mestre, resumidos no mandamento do amor. Esta missão se transmitiu, sem parar, ao longo dos séculos. E chegou até nossas comunidades... por isso, hoje, nós também somos discípulos de Jesus!
Depois de orientá-los e enviá-los, Jesus subiu para o céu em corpo e alma (é o que chamamos de “Ascensão aos Céus”).
Isso aconteceu na frente de seus discípulos que ficaram olhando para o alto em adoração. Foi preciso aparecer alguém para chamá-los à realidade e dizer-lhes que não é mais hora de ficar olhando para o céu, mas é hora de enfrentar o mundo e criar aí o Reino de Deus, do qual Jesus lhes falara.
Mas, a ascensão do Senhor não quer dizer que Ele abandonou seus discípulos. Jesus já havia dito a eles que "Eu estarei convosco todos os dias até o fim dos tempos!" (Mt 28,20).


Ele nos promete o seu Espírito Santo - PARÁCLITO - nosso intercessor.


domingo, 21 de abril de 2013

Missa das Crianças

Essas são as fotos da missa das crianças sábado passado.
As crianças fazendo as leituras.











Até mais


segunda-feira, 8 de abril de 2013

SACRAMENTOS: SINAIS DE NOSSO ENCONTRO COM DEUS.





Deus nos ama e nos mostra este amor em tudo o que existe. Os sacramentos são sinais, através dos quais é dada às pessoas graças que não podemos enxergar, mas que ajudam na vivência da fé e no seguimento de Jesus.
Jesus é o maior sinal do amor de Deus entre os homens. Ele é o Sacramento do Pai. A Igreja continua, no mundo, a ser sinal - Sacramento de Jesus - para que as pessoas se encontrem com Deus, vivam no seu amor e sejam felizes.
É por nossa fé em Jesus que nós faz receber os sacramentos da igreja.
Cada sacramento possui gestos, palavras e material próprio.
Por exemplo: no Batismo:
Gestos: derramamento de água na cabeça do batizado.
Palavras de Fé: “Eu te batizo em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.”
Em João 7, 37 lemos que Jesus é a fonte da Água Viva: “Quem tem sede, venha a mim e beba.”
É através dos sacramentos que a “Água Viva”, graças, o amor de Deus, chega até nós. Para que este amor fosse uma realidade em nossa vida, Deus Pai enviou Seu Filho, Jesus Cristo, para reconquistar o coração do homem que foi criado a sua imagem e semelhança e que tinha se afastado de sua presença pelo pecado.
1º.BATISMO: É o nascimento. Jesus institui o Batismo quando ELE mesmo foi batizado por João, no rio Jordão (Mt 3, 13-17). Depois, antes de subir aos céus, deu a ordem: “Ide, pois, ensinai todas as nações, batizai-as em Nome do Pai, do Filho e do Espírito santo” (Mt 28, 19).
2º.RECONCILIAÇÃO OU CONFISSÃO E PENITÊNCIA: É a volta. Aparecendo aos discípulos, fechados no Cenáculo, com medo dos judeus, Jesus se pôs no meio deles. Disse-lhes: “A Paz esteja convosco!” Dito isto, mostrou-lhes as mãos e o lado e os discípulos alegraram-se ao ver o Senhor. Jesus disse-lhes: “A Paz esteja convosco! Como o Pai me enviou, assim eu vos envio”. Depois destas palavras, soprou sobre eles, dizendo: “Recebei o Espírito Santo. Aqueles a quem perdoardes os pecados ser-lhe-ão perdoados. Aqueles a quem não perdoardes, não serão perdoados” (Jo 20, 19-23).
3º.EUCARISTIA: É o alimento. Durante a Ceia Jesus tomou o pão e, depois de o benzer, partiu-o e o deu aos discípulos, dizendo: “Tomai, isto é meu corpo”. Em seguida, tomou o cálice, deu graças e apresentou-o aos discípulos, dizendo: “Iste é o meu sangue” (Mc 14, 22-24).
4º.CRISMA: É a força de Deus. “Pedro e João foram enviados a samaritana e, quando lá chegaram, fizeram orações sobre os fieis. Impuseram as mãos sobre eles, para que recebessem o Espírito Santo” (At 8, 14-17).
5º.MATRIMÔNIO: É o amor. O casamento existe desde a criação do homem, mas foi Jesus quem fez do casamento um sacramento e chamando-o de Matrimônio. Jesus ensinou às multidões e respondeu às perguntas que os fariseus lhe faziam, dizendo: “Não separe o homem o que Deus uniu” (Mc 10, 9)
6º.ORDEM: É a dedicação. Tomando o pão, deu graças, partiu-o e deu aos discípulos, dizendo: “Isto é meu corpo que é dado por vós! Fazei isto em memória de mim” (Lc 22, 19).
7º.UNÇÃO DOS ENFERMOS:É a cura. “Alguém dentre Vós está triste? Reze! Está alegre? Cante! Está enfermo? Chame os sacerdotes da Igreja e estes façam oração sobre ele, ungindo-o com óleo em Nome do Senhor. A oração da fé salvará o enfermo e o Senhor o restabelecerá” (Tg 5, 13-15).


“Os sete sacramentos atingem todas as etapas e todos os momentos importantes da vida do cristão: dão à vida de fé do cristão, origem e crescimento, cura e  missão.”






                                                                                                                                Fonte na internet.


terça-feira, 2 de abril de 2013

Ano Litúrgico.

Vamos aprender um pouco mais??

Ano Litúrgico, as vezes para as crianças é meio estranho e já ouvir algumas vezes..."Porque o Padre está com essa cor? Porque a cortininha do Sacrário está com essa cor?...E assim vai as perguntinha que é muito bom de responder.
Fiz um cartaz de ano litúrgico com uma seta que gira apontando o tempo em que estamos. 

Da uma olhada e faça o seu tbem é muito legal as crianças interagirem desta forma, mais uma maneira dela prestarem a atenção nas missas.


Mais um pouquinho...

· Ano Litúrgico é o calendário de nossa Igreja, contém a data dos acontecimentos da história da salvação, surgiu e se desenvolveu a partir da paixão, morte e ressurreição de Jesus Cristo.
· Por isso, o centro do ano litúrgico é JESUS CRISTO, no seu mistério pascal da paixão, morte e ressurreição, celebrado pela Igreja, todos os dias na eucaristia. Esse mistério pascal é o coração do ano litúrgico.
· O ano litúrgico é diferente do nosso calendário anual: começa no 1º Domingo do Advento e termina no Domingo da Festa do Cristo Rei (novembro).
· O ano litúrgico se divide em dois grandes ciclos, duas grandes festas: CICLO DO NATAL  e  CICLO DA PÁSCOA. Entre esses dois ciclos está o TEMPO COMUM.
· Em cada ciclo há 3 momentos: Preparação para a festa principal, Celebração festiva no dia da festa e Prolongamento da festa.
· Para melhor expressarmos os diferentes momentos do ano litúrgico, usamos as cores. Elas estão presentes nas celebrações litúrgicas (missas): no altar e nas vestes do sacerdote, de acordo com o momento celebrado:

BRANCO: Alegria, festa. Usado nos dias de festas e solenidades (Natal, Páscoa, Quinta-feira Santa, Santíssima Trindade, Cristo Rei...) Pode ser substituída por amarelo, bege ou dourado;

VERDE: Esperança. Usado no tempo comum, mantendo viva a esperança da igreja peregrina, que caminha rumo ao reino de Deus;

ROXO: Penitência, espera. Usado na quaresma (tom mais escuro) e no advento (tom mais claro);

VERMELHO: Sangue, fogo. Usado para celebrar o martírio, a morte dos santos da igreja. E na festa de Pentecostes;

RÓSEO: Expectativa, alegria do Senhor que se aproxima. Usado no 3º domingo do advento e no 4º domingo da quaresma;

PRETO: Luto. Usado em missas pelas almas e em sepultamentos.




Páscoa Do Senhor



A celebração anual da Páscoa se dá propriamente na Vigília Pascal. O Domingo da Ressurreição do Senhor é como que um coroamento da grande solenidade. O Evangelho resume bem a mensagem pascal. Maria Madalena foi ao túmulo e viu a pedra retirada do sepulcro. Pedro e João encontram o túmulo vazio e compreendem a Escritura, segundo a qual Jesus devia ressuscitar dos mortos. O resultado é o encontro com Cristo ressuscitado. Retirando a Pedra do túmulo e deixando um túmulo vazio, Jesus abriu as portas da eternidade para todo ser humano. Os que fazem a experiência do encontro com o Ressuscitado, como Maria Madalena e os discípulos de Emaús, tornam-se seus mensageiros. Chegou a nossa vez de anunciar o RESSUSCITADO!!
                                                                                                                                                 Frei Alberto.

sábado, 30 de março de 2013

Vigília Pascal (Lc 24, 1-12)



O túmulo vazio é uma pista interessante para o nossa fé. Se não temos o corpo, precisamos encontrá-lo, e não descansaremos enquanto isso não acontecer. Agora, se temos o corpo, podemos ficar despreocupados. Mas é aí que mora o perigo! Quando sabemos exatamente onde o corpo se encontra, já não sentimos a necessidade de buscá-lo. Sabemos onde ele está e isso nos basta. Jesus, porém, não nos quer tranquilos. Ele nos quer em movimento, em ação. Por isso o túmulo está vazio! Jesus quer ser encontrado em outros lugares. O Ressuscitado nos convida a procurá-lo em cada pessoa que está ao nosso redor. Devemos buscá-lo sempre, especialmente entre os que mais sofrem...
                                                                                                                                                 Pe.Marcos

Paixão Do Senhor (Jo18,1-19,42)



Ele sofre.Paixão é sofrimento. Sexta-feira da Paixão é celebração da entrega dolorosa do Senhor. Ano a ano, repetimos com o povo que não o aceitou: "Crucifica-o!" Beijamos a Cruz e nos envergonhamos do bem que não fizemos. E o crucificamos. Não é apenas um ritual. Ele continua tendo seu sagrado corpo rasgado por cravos e lanças em crianças desnutridas, mortas nos ventres de suas mães ou nas sarjetas, em jovens violentadas, em pais sem emprego nem pão para seus filhos, em idosos abandonados, nos presos marginalizados, em famintos de todos os cantos, são milhões. Milhões de cravos e lanças pelos quais Jesus pede ao Pai que nos perdoe, pois não sabemos o que fazemos.
                                                                                                                                         Frei Leonardo.

quinta-feira, 28 de março de 2013

AS SETE DORES DE NOSSA SENHORA NA TERRA


1ª A espada a transpassar a alma - Conforme a profecia de Simeão, no Templo.

2ª A fuga da Sagrada Família para o Egito.

3ª Nossa Senhora perde seu Divino Filho por três dias.

4ª O encontro com Nosso Senhor todo flagelado e carregando às costas a sua pesadíssima cruz.

5ª A bárbara crucificação e morte de seu Divino Filho.

6ª Nossa Senhora recebe em seus braços seu Filho inteiramente chagado e transpassado pela lança.

7ª Nossa Senhora acompanha seu Divino filho à Sepultura.

No fim repete-se três vezes:

"Ó Jesus, olhai para as lágrimas de sangue daquela que mais Vos amou no mundo e vós ama mais intensamente no céu."

ORAÇÃO FINAL

Ó Maria, Mãe de amor, das dores e da misericórdia, nós vos suplicamos: uni as vossas súplicas às nossas a fim de que Jesus, Vosso Divino filho, a quem nos dirigimos em nome de vossas lágrimas maternais de sangue, atenda as nossas súplicas e se digne conceder-nos as graças pelas quais suplicamos, a coroa da vida eterna. Amém.
Que vossas lágrimas de sangue, ó Mãe das dores, destruam as forças do inferno.
Pela vossa mansidão divina, ó Jesus crucificado, preservai o mundo da perda ameaçadora!
Nossa Senhora das Dores rogai por nós!



terça-feira, 26 de março de 2013

Lava-pés e Celebração da Ceia do Senhor

ponto alto da Semana Santa é o Tríduo Pascal (ou Tríduo Sacro) que se inicia com a missa vespertina da Quinta-feira Santa e se conclui com a Vigília Pascal, no Sábado Santo. Os três dias formam como que uma só celebração, que resume toda a vida e missão de Jesus Cristo. Por isso, nas celebrações da quinta-feira à noite e da sexta-feira não se dá a bênção final; ela só será dada solenemente no final da Vigília Pascal.

Na Quinta-feira Santa, recordamos a instituição da Eucaristia e do Sacerdócio ministerial. Na celebração da Ceia do Senhor, o gesto do lava-pés nos convida à humildade e ao serviço e nos lembra o mandamento novo que Cristo nos deixou. Depois de lavar os pés de seus apóstolos, Ele proclama: "Eu vos dou um novo mandamento, que vos ameis uns aos outros assim como Eu vos amei." (Jo 13,34)

Por este motivo nós catequistas da Vila Operária resolvemos fazer, viver estes dois momentos com as crianças, O lava-pés o a Santa Ceia.

Pedimos a ajuda para a Dona Edir que já não está mais dando catequese para vir fazer...ficou simplesmente lindo! 

Gente! A concentração dessas crianças eu nunca havia visto, nós já tínhamos feito ostras vez mais igual a essa...nunca!!











sexta-feira, 15 de março de 2013

Faça sua avaliação pessoal como catequista



Sabemos que cada um tem seu jeito próprio de conduzir seu grupo. Mas sempre temos algo a aprender ou a melhorar. Assim como também há sempre algo que podemos partilhar ou ajudar. “Ninguém sabe tanto que não tenha mais nada a aprender. Ninguém é tão pobre de conhecimento que não tenha algo novo a ensinar”.


Boas experiências, bons momentos na catequese que levam ao crescimento e transformação devem ser partilhadas e continuadas. Dificuldades sempre temos, mas com iniciativa, dinamismo e boa vontade muito se pode construir.

Não se trata aqui de apontar o dedo procurando culpados. Trata-se de uma conscientização de cada um de nós detectando nossas falhar e procurando melhorias. Quando tomamos consciência de algo saiu errado, somos impelidos a fazer diferente.

Avaliação pessoal do catequista:
  • Estou satisfeito com a catequese da forma como é conduzida?
  • O que posso fazer para melhorar meus encontros?
  • Preparo-os com antecedência, tomando conhecimento do assunto a ser abordado?
  • Estou sempre interessado em oferecer o melhor conteúdo prático e de espiritualidade aos meus catequizandos.
  • Estimulo o espírito do grupo, a partilha e a solidariedade?
  • Acompanho-os a eventos religiosos da paróquia, assim colaborando com meu exemplo?
  • Como me aproximar mais das famílias e fazê-las sentir a necessidade e importância de sua participação na vida catequética de seus filhos?
Quando estou com meus catequizandos como é minha atitude:
  • de escuta e diálogo
  • apoio e disponibilidade
Ou estou sempre:
  • cansado, impaciente
  • em situação de confronto
  • impositivo

Como está minha relação com Deus?
  • Dedico tempo a Deus na oração?
  • Tenho o hábito de fazer experiência da oração através da Escuta da Palavra de Deus?
  • Dou testemunho de vida, participando semanalmente da Eucaristia?
  • E minha participação em outras funções religiosas da Igreja ou comunidade como está?
  • Minha participação como catequista me ajuda a crescer espiritualmente?
Quanto à minha relação com os outros catequistas:
  • Aprecio a companhia do grupo?
  • Procuro aprender com a experiência dos colegas?
  • Tenho atitudes de inveja ou superioridade perante meus colegas catequistas?
  • Estou sempre a lamentar de tudo e de todos, sempre criticando a coordenação ou outros amigos da catequese?
  • Sinto necessidade de viver juntamente com os outros catequistas, experiências de formação espiritual, cultural e catequética?
  • Participo com prazer das reuniões e/ou encontros de espiritualidade?
Porque escolhi ser catequista? 
  • Porque tenho muito tempo sobrando?
  • Para fazer novas amizades
  • Porque quis experimentar, já que gosto de crianças.
  • Para doar um pouco de mim.
  • Porque senti o chamado de Deus.
Quanto a minha relação com os pais e a comunidade
  • Preocupo-me em ser bem aceita na comunidade?
  • Ou simplesmente ignoro o que os pais pensam de minha atuação?
E finalmente...
ü  Ser catequista fez amadurecer minha experiência de fé
ü  Quais as descobertas, positivas e/ou negativas que fiz na minha personalidade e no meu caráter?
ü  Qual minha proposta para o próximo ano? 

quinta-feira, 14 de março de 2013

Direitos e Deveres dos Pais




* Tânia Zagury

Ninguém, seja criança, jovem ou adulto, pode ter apenas direitos ou somente deveres. Pais e filhos têm direitos e deveres. Os direitos dos pais não excluem os dos filhos, assim como os deveres dos pais não impedem que os filhos também tenham deveres, porque a base de uma sociedade democrática repousa no equilíbrio entre direitos e deveres.  Parece que atualmente, muitas pessoas ignoram (ou esquecem) que a cada direito alcançado há, em contrapartida, um dever que lhe é correspondente. Leia, a seguir, alguns exemplos dos direitos e dos deveres dos pais em relação aos filhos:

DEVERES

1. Dar amor
2. Proteger
3. Criar condições que propiciem segurança física e psicológica
4. Criar condições para o desenvolvimento intelectual pleno
5. Promover condições no entorno familiar que permitam o desenvolvimento do equilíbrio e da inteligência emocional
6. Subsidiar e promover vivências concretas que possibilitem o caminhar para a independência financeira
7. Zelar pela saúde física e mental
8. Dar estudo e profissionalizar
9. Estruturar o caráter
10. Formar eticamente (ensinar valores)

DIREITOS

1. Não se omitir quando o filho agir de forma que possa prejudicar outras pessoas, animais e/ou o meio ambiente. Agir com segurança, porém sem agressões físicas, sem medo de causar “traumas e frustrações”.

2. Procurar fundamentar e definir, de preferência sempre através de um diálogo franco e direto, normas e regras de conduta que regerão o dia a dia da família. Se, no entanto, o diálogo não funcionar, cabe aos pais a palavra final sobre qualquer tema, até que os filhos se tornem independentes do ponto de vista físico, emocional e financeiro.

3. Se necessário pais podem proibir comportamentos, atitudes e até alguns tipos de roupas que coloquem em risco a segurança e dignidade dos filhos. Podem também cortar algumas regalias, como a mesada, por exemplo, se perceberem uso indevido das mesmas.

4. Pais têm o direito de questionar, acompanhar e até mesmo vigiar ou buscar provas concretas no espaço privado dos filhos, caso percebam sinais que indiquem possibilidade de envolvimento dos filhos com drogas ou outras práticas ilegais.

5. Os pais não devem se intimidar com a prática bastante comum de os jovens transformarem seus quartos em fortalezas indevassáveis. Sempre que tiverem em bom motivo - e ainda que não sejam bem-vindos –, têm o direito de entrar para verificar o que está ocorrendo.

6. Liberdade para fazer o que se quer da vida tem limite. Os pais devem exigir que os filhos estudem para garantir um mínimo de rendimento, como contrapartida ao direito de receber educação e profissionalização; podem, por isso mesmo, fazer sanções se perceberem que os filhos não estão cumprindo seus deveres.

7. Os pais podem frear o apetite consumista dos filhos, através de conversas e/ou atos. Uma coisa é comprar um tênis ou uma jaqueta por necessidade; outra bem diferente é aceitar exigências quanto a marcas e grifes por capricho ou influências da sociedade de consumo.

8. Ter conversas sérias sobre sexo é uma necessidade essencial nos dias atuais. Se o adolescente se negar a ouvir alegando “já ter conhecimento de tudo”, os pais podem exigir ainda assim, que sejam ouvidos sobre DSTs (doenças sexualmente transmissíveis), gravidez precoce, bem como sobre as regras que regem a casa. Os pais não têm obrigação de aceitar que os filhos mantenham relações sexuais em casa por imposição dos filhos, apenas devido ao fato de outras famílias o permitem. Cada família tem o direito de viver de acordo com sua visão de mundo.

9. Ter resultados positivos na escola, não é um prêmio para os pais - o adolescente está apenas cumprindo seu dever. Pais não são obrigados, portanto, a proporcionar luxos - como viagens ao exterior quando o filho passa de ano ou carro zero como prêmio por entrar na faculdade. A não ser que o desejem fazer por iniciativa própria.

10. Pais têm direito a um mínimo de vida pessoal. Pelo menos de vez em quando, não devem se privar de um jantar a dois ou de uma viagem curta sem a presença dos filhos, se têm com quem os deixar em segurança e protegidos. E também não precisam se sujeitar à tirania da agenda inflada dos adolescentes nos finais de semana. Saber fazer opções sem que isso resulte numa frustração absurda é uma aprendizagem fundamental para a vida.
_______________________________

(*) Adaptado de Zagury, T. Os Direitos dos Pais, Construindo cidadãos em tempos de crise. Record, RJ, 2005.
(**) Filósofa, Escritora, Mestre em Educação e Conferencista. 

#Fica a Dica Para todos os Pais e se possível leiam o livro muito bom e esclarecedor 

quarta-feira, 13 de março de 2013

AS CRIANÇAS E A MISSA






Todos os catequistas deveriam conhecer e se aprofundar no estudo do DIRETÓRIO PARA MISSA COM CRIANÇAS, um documento produzido pela Igreja para direcionar e diminuir eventuais dúvidas sobre o que “pode” e “não pode” fazer durante a missa. E, só depois, pensar numa missa PARA AS CRIANÇAS. E essa missa não pode ser aquela que o padre faz para os adultos, ela precisa ser diferente, mas, sem perder a sua essência, que é de "celebração". Jamais pode ser transformada numa festa qualquer, com pipoca, pirulito, teatro, brincadeira, palhaço e por aí vai...

E para que a missa possa se tornar “interessante”, por mais que isso não seja exatamente o que deveríamos fazer, já que deveríamos isto sim, fazer a missa se transformar em catequese também, eis aí algumas sugestões:

Aqui na nossa Igreja nós fizemos assim...claro que não tudo...mais a maioria das sugestões

- Deve haver uma missa da catequese, com dia e horário específico. Isso significa que a missa vai ser DIFERENTE, todo adulto que lá estiver deve saber que a missa é PARA os catequizandos;
- Homilia e monições voltadas para os catequizandos, mas sem infantilismo;
- Utilização de imagens, ilustrações, encenações. As crianças até a segunda infância (entre 7 e 10 anos) são mais "visuais", elas assimilam muito mais imagens do que escutam (palavra).
- Não distribuição guloseimas na missa (pãozinho, biscoitinho, pirulito). Algumas crianças acabam indo a missa SÓ por isso;
- Promover a participação dos catequizandos nos vários momentos da missa: acolhida, procissão de entrada, ofertório, coleta, leituras, preces; fazendo rotatividade entre turmas e catequistas responsáveis. Uma turma faz a acolhida, outra o ofertório, coleta, etc.
- Promover homenagens em datas especiais, mas sempre após a oração final. A critério do padre pode ser utilizado o memento de ação de graças;
- Envolver e dar responsabilidades aos catequizandos, fazê-los participar também da organização. Isso caberia aos catequizandos com uma fazia etária maior ou crismandos; 
- Treinar os leitores da Palavra e das preces. Não é porque são crianças que as leituras podem ser mal proclamadas;
- Envolver os pais e as famílias neste momentos também. Por exemplo: num ofertório, pedir à família (mãe, pai, irmãos) que entre com as ofertas;
- A acolhida precisa ser bem feita, treinar os catequizandos para, efetivamente, receber as pessoas com alegria... Distribuir os folhetos, folhas de canto, lembrancinhas, etc.
- Enviar "convites" da missa. Dar-se ao trabalho de confeccionar estes convites, entregar com antecedência aos catequizandos, pedir que convidem os familiares. Não meramente imprimir um papel com data, local, horário. Fazer no capricho, de preferência com imagem do tema do domingo;
- Se possível utilizar um coral infantil ou promover um na catequese. Senão, integrar-se com as equipes de canto no sentido de se cantar músicas de criança. Mas nada de sair por aí buscando música secular. A Igreja tem música sacra infantil também...
- A catequese precisa ter uma equipe "de missa", catequistas que se preocupem com essas coisas, que se preocupem com a organização, com os temas, com convites, com cartões/lembranças, com quem vai fazer o que. Em hipótese alguma se deve convidar sempre as mesmas pessoas (pais) e as mesmas crianças para fazer as coisas.

Enfim, é algo que dá trabalho! E essas, são apenas algumas das coisas que se pode fazer. Tenho certeza que a equipe de catequese pode pensar em bem mais. Exceto qualquer tipo de papel que seja meramente parecido com "folha de presença", obrigatoriedade. Se a paróquia tem que chegar a esse ponto, significa que não só a catequese, mas também a Liturgia deixam muito a desejar...

Papa Francisco




Lindo gesto do nosso novo Pontífice, Papa Francisco, de curvar-se pedindo orações para o povo que estava na praça de São Pedro. Que este ato nos inspire a sempre tê-lo em nossas orações




ORAÇÃO PELO PAPA FRANCISCO 

Ó Deus, que na vossa providência quisestes edificar a vossa Igreja sobre São Pedro, chefe dos apóstolos, fazei que o nosso Papa Francisco I, que constituístes sucessor de Pedro, seja para o vosso povo o princípio e o fundamento visível da unidade da fé e da comunhão na caridade. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso filho, na unidade do Espírito Santo. Amém

Ó Deus, que escolhestes o vosso servo Francisco I sucessor do apóstolo Pedro como pastor de todo o rebanho, atendei as súplicas do vosso povo. Concedei ao que faz as vezes do Cristo na terra continuar na fé seus irmãos para que toda a Igreja se mantenha em comunhão com ele no vínculo da unidade, do amor e da paz até que, em vós, pastor das almas, cheguemos todos à verdade e à vida eterna. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém

terça-feira, 12 de março de 2013

Especial

Fiz um cronograma para as crianças essa é relacionado a nossa paróquia mas é uma ideia muito legal e assim fazer nossos catequizandos participarem da comemoração mais importante da igreja Católica.



Esse eu usei no ano passado, pois só achei muito encima das datas ele é ótimo.




quarta-feira, 6 de março de 2013

76 - Como posso me tornar um bom catequista?

                       E este vídeo é para nós catequistas!!!


                  


Catequese com Padre Sérgio - Como se comportar na Missa

 Muito bom e esclarecedor é bom passar para nossas crianças, tenho certeza que vai ser um bom!!